Repasse Informativo | Marcos Monteiro - Repasse Informativo Caxas-MA, O Blog do Marcos Monteiro.

INFRAESTRUTURA: Asfalto brasileiro é o segundo pior do planeta Terra

Uma recente pesquisa revelou que o asfalto brasileiro é o segundo pior do mundo. No entanto, os problemas não se restringem à qualidade do material, mas incluem uma série de fatores como manutenção insuficiente e investimentos inadequados.

 

De acordo com Diego Ciufici, superintendente da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras

 

de Asfaltos (Abeda), a má qualidade do asfalto brasileiro não é devido ao material em si.

 

Em entrevista ao Jornal da USP, Ciufici esclareceu que o desgaste e a falta de manutenção são os principais culpados pelo estado deplorável das vias.

 

Principais Fatores Contribuintes:

 

 

  • Alta Demanda e Saturação: No Brasil, 75% da produção nacional é transportada por vias rodoviárias. Isso sobrecarrega a infraestrutura, que não recebe investimentos suficientes para suportar a demanda crescente.

 

  • Composição do Pavimento: O asfalto representa apenas uma pequena parte dos materiais utilizados na pavimentação, funcionando como um ligante. Sem uma base sólida e bem construída, as vias rapidamente se deterioram.

 

  • Problemas Estruturais e Climáticos: Segundo Kamilla Vasconcelos Savasini, coordenadora do Laboratório de Tecnologia de Pavimentação da Escola Politécnica da USP, muitos buracos são resultado de problemas estruturais no projeto e de condições climáticas imprevistas, como calor extremo e chuvas intensas.

 

Os especialistas concordam que o problema não está na qualidade do asfalto. Savasini destacou que o produto é fruto de uma parceria entre indústria e pesquisadores, sempre em busca de melhorias. O verdadeiro problema reside na implementação.

 

Dificuldades técnicas, operacionais e econômicas impedem a aplicação eficaz das técnicas sustentáveis nos pavimentos.

 

A manutenção regular e os investimentos contínuos são essenciais para a boa qualidade das vias. Savasini reforça que políticas públicas que garantam esses investimentos são fundamentais.

 

Ciufici acrescenta que é necessário um planejamento adequado e uma alocação eficiente do orçamento, não apenas medidas paliativas para tapar buracos.

 

Em resposta às críticas, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) informou que monitora regularmente as estradas utilizando o Índice de Condição da Manutenção (ICM). No ano passado, 65,4% dos 61 mil km de vias foram avaliadas como “Boas” de acordo com o ICM.

 

Contudo, especialistas afirmam que esses índices não refletem a realidade enfrentada pelos motoristas no dia a dia.

Com Informações: https://linharesjr.com.br

Categoria: Notícias