Repasse Informativo | Marcos Monteiro - Repasse Informativo Caxas-MA, O Blog do Marcos Monteiro.

INTERNACIONAL: Cantora Sinéad O’Connor morre aos 56 anos

Causa da morte não foi informada; artista ficou marcada após “Nothing Compares 2 U”, que alcançou o primeiro lugar em 1990

cantora irlandesa Sinéad O’Connor, de 56 anos, morreu, de acordo com a RTE, a emissora pública da Irlanda. A causa da morte não foi divulgada.

A notícia do falecimento foi confirmada pela RTE, que compartilhou um comunicado da família.

“É com muita tristeza que anunciamos o falecimento de nossa amada Sinéad. Sua família e amigos estão devastados e pediram privacidade neste momento tão difícil”.

Seu primeiro álbum, “The Lion and the Cobra”, foi lançado com aclamação da crítica em 1987, mas foi o segundo álbum de O’Connor, “I Do Not Want What I Haven’t Got”, que a destacou como uma artista reconhecida.

Sua interpretação da música de Prince, “Nothing Compares 2 U”, alcançou o primeiro lugar em 1990, impulsionada pelo videoclipe que apresentava O’Connor com cabelo curto e gola escura.

A canção foi indicada para vários Grammys e rendeu a O’Connor as vitórias de vídeo do ano da MTV e de melhor vídeo de uma artista feminina.

Nos anos seguintes, a cantora e compositora se envolveu em polêmicas, uma vez que rasgou uma foto do papa no Saturday Night Live e usou as redes sociais para expor problemas pessoais e explosões.

Nos últimos anos, O’Connor se abriu sobre sua luta contra o vício e a saúde mental, e detalhou sua experiência em seu livro de memórias de 2021, chamado “Rememberings”.

A cantora deixa três filhos. Seu filho Shane, de 17 anos, morreu em 2022.

Trajetória

Nascida em Dublin em 1966, O’Connor sempre falou sobre sua infância difícil como a terceira de quatro filhos. Sua mãe, segundo ela, era abusiva.

“Ela costumava ir a casas que estavam à venda apenas para poder roubá-las”, disse O’Connor ao The Independent, em uma entrevista de 2013. “Acho que foi engraçado, de certa forma, sem ser engraçado. Sabe, ela ia a hospitais e arrancava os crucifixos da parede”.

O’Connor disse que sua mãe, que morreu em um acidente de carro quando a cantora tinha 19 anos, “não pôde evitar, que Deus a tenha” e que ela começou a roubar como forma de apaziguá-la.

“Foi uma doença”, disse. “E então isso fazia parte do que acontecia em casa: eu roubava para acalmá-la”.

Mandada para um reformatório quando adolescente depois de ser pega furtando uma loja, O’Connor procurou consolo na música, e foi descoberta aos 15 anos pelo baterista da banda In Tua Nua, enquanto cantava em um casamento.

Ela acabou deixando o internato aos 16 anos e lutou para se sustentar enquanto cantava, antes de se mudar para Londres, onde trabalhou com o guitarrista do U2, The Edge, na trilha sonora do filme de 1986 “The Captive”.

cantora Sinead O'Connor se apresenta no show "Here But I'm Gone: A 70th Birthday Tribute to Curtis Mayfield" no Avery Fisher Hall, em 2012Cantora Sinead O’Connor se apresenta no show “Here But I’m Gone: A 70th Birthday Tribute to Curtis Mayfield” no Avery Fisher Hall, em 2012 / Photo by Mike Coppola/Getty Images

Quando lançou seu segundo álbum, O’Connor era mãe, tendo dado à luz ao filho Jake, do primeiro marido, o músico John Reynolds. Ela teria três outros filhos: Roisine, de seu segundo casamento com o jornalista Nick Sommerlad; Shane, de um relacionamento com o músico Donal Lunny; e Yeshua de um relacionamento com o empresário Frank Bonadio.

No entanto, suas controvérsias ofuscaram sua carreira e sua vida pessoal.

Em 1990, ela boicotou a aparição no Saturday Night Live em protesto contra os planos de ter Andrew Dice Clay como apresentador. Ela reclamou que o humor dele era misógino e homofóbico.

Naquele mesmo ano, o cantor Frank Sinatra disse durante um show que gostaria de “chutá-la” por causa da política declarada de O’Connor de não permitir que o hino nacional fosse tocado em seus shows.

Em 1992, O’Connor ganhou as manchetes em todo o mundo depois de uma polêmica apresentação no Saturday Night Live, na qual rasgou uma foto do Papa João Paulo II enquanto dizia “Lute contra o verdadeiro inimigo”. O incidente foi satirizado e acabou prejudicando a carreira de O’Connor.

Sinéad continuou a fazer música, mas nunca alcançou o sucesso comercial ou de crítica de seu trabalho anterior. Em vez disso, ela ganhou as manchetes em 1999 depois de ser ordenada como sacerdotisa na igreja latina tridentina.

O’Connor também adotou uma abordagem semelhante em relação à sua sexualidade, se anunciando lésbica em 2000. Alguns anos depois, a cantora disse à Entertainment Weekly que “sou três quartos heterossexual e um quarto gay”.

Em 2011, O’Connor se casou com Barry Herridge, que conheceu na Internet. O casal se separou 18 dias depois, antes de se reunir.

Em 2012, ela usou o Twitter para enviar um pedido de ajuda: “Alguém conhece um psiquiatra em Dublin ou Wicklow que possa me ver com urgência hoje, por favor?”, escreveu ela. “Estou muito mal e em perigo.”

O’Connor escreveu uma carta aberta a Miley Cyrus na qual ela exortava a jovem de 20 anos a não se permitir “ser cafetinada” pela indústria da música.

Em um tweet, Cyrus comparou O’Connor à estrela problemática Amanda Bynes, e ela incluiu um feed do Twitter de O’Connor do passado, quando escreveu sobre lutar e buscar ajuda para problemas de saúde mental. O’Connor respondeu com uma ameaça de ação legal.

Em 2015 e 2016, as autoridades foram solicitadas a encontrá-la. A primeira devido a um post no Facebook sobre uma overdose em um hotel irlandês, e a segunda depois que ela foi dada como desaparecida após não retornar de um passeio de bicicleta em um subúrbio de Chicago. Em ambos os casos, ela foi encontrada com segurança.

O político irlandês Leo Varadkar prestou uma homenagem a Sinéad O’Connor após a informação do falecimento.

“Sinto muito pela morte de Sinéad O’Connor. Sua música era amada em todo o mundo e seu talento era inigualável e incomparável. Condolências à sua família, seus amigos e todos que amavam sua música”, informou.

Com Informações: https://www.cnnbrasil.com.br

Categoria: Notícias