Repasse Informativo | Marcos Monteiro - Repasse Informativo Caxas-MA, O Blog do Marcos Monteiro.

Rota ‘verde’: Goodyear quer produzir pneu com casca de arroz para rodar 500 mil km

Produto faz parte do projeto da empresa de desenvolver pneu 100% reciclável até 2030 e terá vida útil 10 vezes mais longa que produtos atuais

Goodyear tem plano de tonar pneu totalmente reciclável até 2030. Foto: Reprodução

Por Wesley Santana

A fabricante norte-americana Goodyear quer tomar um caminho mais sustentável nos seus negócios. Para isso, a empresa desenvolveu uma versão de pneu automotivo composto por 90% de material reciclável. O material sustentável leva 17 itens diferentes, incluindo resíduos de casca de arroz, um orgânico usualmente descartado e enviado para aterros sanitários.

Ainda sem data para ser colocado no mercado, em testes internos, o novo pneu apresentou menor aderência ao asfalto que os modelos tradicionais. Segundo a fabricante, o equipamento já passou por todas as etapas de regulação e agora está à disposição de empresas que queiram investir de forma conjunta para fabricação em larga escala.

De acordo com a Goodyear, essa é uma adaptação de um outro modelo de pneu divulgado no ano passado, composto em 70% por material sustentável. A empresa tem planos de chegar em 2030 com uma versão de pneu totalmente sustentável, cumprindo as metas de neutralização de carbono.

Em geral, um pneu automotivo de uso particular tem sua vida útil estimada entre 40.000 e 60.000 quilômetros, a depender do estilo de vida do motorista. O pneu reciclável, porém, promete aumentar essa média em até 10 vezes, alcançando a marca de 500.000 quilômetros, ainda segundo a fábrica.

“O ano passado foi crucial para alcançar esse objetivo. Pesquisamos novas tecnologias, identificamos oportunidades para mais colaboração e utilizamos a tenacidade de nossa equipe para não apenas demonstrar nossas capacidades de produzir um pneu de 90% de material sustentável, mas também para produzir um pneu com até 70% de conteúdo sustentável este ano”, destaca Chris Helsel, vice-presidente sênior de Operações Globais e Diretor de Tecnologia.

A produção

O pneu de demonstração da Goodyear tem o objetivo de replanejar ou reutilizar o uso de materiais tóxicos, trocando-os por itens menos agressivos ao meio ambiente. Desta forma, é possível usar produtos que não são aproveitados e ainda romper o ciclo de descarte da borracha já gasta.

Na produção tradicional, por exemplo, as empresas usam alguns tipos de borracha agressivas e um composto chamado “negro de fumo” -oriundo da queima de vários produtos petroquímicos- para dar forma ao pneu. No caso desta versão reciclável, o item é fabricado a partir de metano, dióxido de carbono, óleo à base de plantas e matérias-primas de óleo de pirólise de outros pneus em fim de vida.

Para promover maior aderência do acessório ao asfalto, os fabricantes usam o químico chamado sílica. Em alternativa, foi criado um material a partir de casca de arroz, que é descartada pela indústria antes dos grãos serem ensacados para a venda.

Há ainda a reinvenção do poliéster feito de garrafas plásticas recicláveis e dos polímeros de equilíbrio formados por fonte biocircular. Resinas de pinheiro biorrenováveis, aço reciclado, óleo de soja para flexibilidade são outros componentes do novo produto. 

Setor em busca de alternativas

A Goodyear não é a única fabricante que tem projetos para desenvolver pneus sustentáveis. Há dois anos, Bridgestone e Michelin trabalham juntas em uma versão ambientalmente amigável e que seja capaz de diminuir as emissões de gás carbônico na linha de produção.

Mesmo tardio, o movimento do setor  tem um motivo: estima-se que 90 milhões de unidades de pneus sejam descartados por ano só no Brasil. Esse arsenal de borracha processada nem sempre é deixada em lugar adequado, mesmo demorando 600 anos para se decompor na natureza.

Em seu último balanço de sustentabilidade, a Michelin reafirmou sua meta de alcançar a neutralidade de carbono até 2050. A empresa também apresentou uma versão de pneu para carros composto por 45% de material reciclável e 58% para os ônibus. 

Com Informações: https://www.infomoney.com.br

 

Categoria: Notícias