Repasse Informativo | Marcos Monteiro - Repasse Informativo Caxas-MA, O Blog do Marcos Monteiro.

Notícias da Ilha: Articulações nos bastidores já começam a definir nomes para a Prefeitura de São Luís em 2020

Weverton Rocha, Eliziane Gama,, Bira do Pindaré, Duarte Jr., Felipe Camarão e Neto Evangelista são nomes da Situação, e Eduardo Braide e Edilázio Jr. são nomes da Oposição para a disputa para a prefeitura de São Luís

Os eleitos em 2018 ainda não foram sequer diplomados pela Justiça Eleitoral e o Brasil ainda está decidindo entre a volta do PT ao poder, com a candidatura de Fernando Haddad, e dar uma guinada radical para a direita, com a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL), mas a ciranda da política, com a sua dinâmica sempre surpreendente, já iniciou os movimentos para as eleições municipais de 2020. E no que diz respeito à sucessão em São Luís, a corrida já está sendo preparada nos bastidores, com vários candidatos a candidato articulando condições para entrar na pista, tendo o governador Flávio Dino, por exemplo, dito a uma emissora de rádio, na semana passada, que o seu campo dispõe de pelo menos uma dezena de nomes com cacife para brigar pela sucessão do prefeito Edivaldo Holanda Jr. (PDT). Já a Oposição conta com o deputado estadual e federal eleito Eduard Braide (PMN), que saiu das urnas da Capital na confortável condição de fenômeno. É verdade que ainda é cedo, como ponderou o governador, mas ele próprio sabe que quem não agir agora pode perder o bonde sucessório.

Quando avaliou que o campo governista dispõe de “pelo menos dez nomes” em condições de entrar na disputa pelo Palácio de la Ravardière, o governador não os relacionou, mas certamente referiu-se aos senadores eleitos Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS), aos deputados federais eleitos Bira do Pindaré (PSB) e Pedro Lucas Fernandes (PTB), aos deputados estaduais eleitos Duarte Jr. (PCdoB) e Neto Evangelista (DEM), ao vereador Ivaldo Rodrigues (PDT), ao advogado Felipe Camarão (atual secretário de Estado da Educação e filiado ao DEM), e numa possibilidade mais remota, ao vice-prefeito Júlio Pinheiro (PCdoB) e, mais remotamente ainda, ao deputado federal eleito Márcio Jerry (PCdoB). São nomes com grande cacife político e forte potencial eleitoral, que contando com o apoio direto do prefeito Edivaldo Holanda Jr. e o aval do governador Flávio Dino terão peso para enfrentar a Oposição, que virá forte.

Mas com a garra que tem demonstrado e com os desafios que a esquerda moderada tem pela frente no Congresso Nacional, seja com Fernando Haddad, seja com Jair Bolsonaro, é improvável que Weverton Rocha – que na verdade começa a sonhar é com 2022 – e Eliziane Gama deixem a bancada senatorial para entrar na briga em São Luís, principalmente se o Brasil entregar o comando a Jair Bolsonaro. Márcio Jerry será provavelmente convocado para voltar ao Governo, enquanto o vice-prefeito Júlio Pinheiro certamente disputará uma cadeira na Câmara Municipal, podendo o mesmo acontecer com Ivaldo Rodrigues, que já é um dos azes do legislativo da capital. Nesse contexto, a menos que o governador Flávio Dino e o prefeito Edivaldo Holanda Jr. tenham uma solução imprevisível no bolso do colete, o candidato a ser ungido na situação sairá do grupo formado por Bira do Pindaré, Pedro Lucas Fernandes, Duarte Jr., Neto Evangelista e Felipe Camarão.

Com força eleitoral já demonstrada na Capital e situação política e partidária resolvida – tendo o comando inconteste do PSB no estado -, que lhe garante estrutura de campanha, Bira do Pindaré é pré-candidato assumido, sinalizando que vai colocar as cartas na mesa em 2020. O vereador e deputado federal eleito Pedro Lucas Fernandes, que comandou a Agência Metropolitana antes das eleições, tem a Prefeitura de São Luís como objetivo e está pronto para ser o candidato. Neto Evangelista já trabalha com nesse projeto há tempos, mas sabe que só terá chance se for convocado, o que é improvável, mas não impossível. Gestor competente e um dos destaques do Governo, o secretário Felipe Camarão tem cotação alta nos bastidores do Palácio dos Leões, e é, sem dúvidas, uma das apostas do governador Flávio Dino. Se ganhou prestígio dentro e fora do Governo no comando do Procon e do Mais Cidadãos, Duarte Jr. saiu das urnas com cacife excepcional em São Luís, onde recebeu quase 50 mil votos  numa campanha solitária, o que o catapultou para a cabeça da lista de governistas fortes para disputar a Prefeitura de São Luís.

A escolha do candidato governista à Prefeitura de São Luís terá de ser cuidadosa, porque o contrapeso será Eduardo Braide, que vem ganhando força de fenômeno a cada eleição, tendo sido eleito deputado federal com mais de 180 mil votos, dos quais mais de 100 mil em São Luís, uma performance excepcional, o que o torna o candidato a ser batido na corrida ao Palácio de la Ravardière. Há outros nomes ensaiando candidatura na seara oposicionista, como o deputado estadual reeleito Wellington do Curso – que nem de longe repetiu o desempenho eleitoral de 2016 ; o ex-vereador Fábio Câmara, que entrou no PSL e aposta ser o candidato de Jair Bolsonaro, caso ele seja eleito presidente, e o deputado federal eleito Edilázio Jr. (PSD), que poderá entrar na disputa com a missão de demonstrar que o Grupo Sarney não está liquidado.

Se esse quadro permanecer, e é quase certo que permanecerá, a sucessão do prefeito Edivaldo Holanda Jr. será disputada por quadros de alto nível, com vocação de liderança e com vontade de chegar muito mais longe.

Com Informações: http://reportertempo.com.br/

Categoria: Notícias