Repasse Informativo | Marcos Monteiro - Repasse Informativo Caxas-MA, O Blog do Marcos Monteiro.

DIRETO DA ILHA: Braide quer aproveitar o Carnaval para negociar alianças e procurar nomes para vice

Foto:  (Divulgação)  Eduardo Braide quer definir alianças e vice

Sem qualquer réstia de dúvida sobre o seu projeto de disputar a Prefeitura de São Luís, o deputado federal Eduardo Braide (Podemos), que lidera as pesquisas de opinião até aqui, vai aproveitar a agitação carnavalesca para iniciar duas costuras. A primeira visa a montagem de uma aliança partidária que lhe assegure um tempo razoável no rádio e na TV, e a segunda é a busca de nomes para escolher o seu companheiro de chapa. Eduardo Braide estaria decidido a encaminhar logo essas negociações, para chegar em maio, se não com elas definidas, pelo menos alinhavadas e dependendo apenas de arremate. Isso não quer dizer que o candidato do Podemos queira definir logo um vice e colocá-lo à tiracolo antes da campanha oficial, que começa no final de agosto. O que ele pretende agora, segundo uma fonte próxima dele, é trabalhar alternativas, entre elas uma possível aliança com o PSDB, que indicaria o vice da sua chapa, caso os chefes tucanos pulverizem o projeto de candidatura do deputado Wellington do Curso, como está sendo rascunhado.

São Luís, 19 de Janeiro de 2020.

Com Informações: http://reportertempo.com.br 

ACONTECEU EM MATÕES: Rubão diz que o prefeito Ferdinando Coutinho não se reelege em Matões

O ex-deputado Rubão sinalizou que uma das suas missões nestas eleições é derrotar o prefeito Ferdinando Coutinho em

Discursando na sua residência em Matões para uma platéia de aliados neste sábado (18), o ex-deputado Rubens Pereira, o Rubão, não fez arrodeios sobre sua insatisfação com o prefeito Ferdinando Coutinho a quem ajudou eleger e recentemente anunciou rompimento político (reveja).

Rubão classificou como especulação a possibilidade de união com o pré-candidato a prefeito Gabriel Tenório, mas, confirmou que já conversaram sobre o atual momento político de Matões por telefone e que ambos tem os mesmo adversário, o prefeito Ferdinando Coutinho. O Blog do Ludwig antecipou sobre uma possível união entre Rubão e Gabriel Tenório (reveja).

“Se vocês me perguntarem quem vai ser o prefeito de Matões eu não sei dizer ainda se vai ser a Suely [Pereira] ou Gabriel [Tenório], agora quem não vai ser será o Ferdinando [Coutinho]”, disparou Rubão.

Assista a íntegra no vídeo acima.

Ainda na reunião o ex-deputado Rubão reafirmou que a ex-prefeita Suely Pereira é pré-candidata a prefeita de Matões.

Com Informações: http://www.blogdoludwig.com

CODÓ EM FOCO: Idoso localiza familiares em Codó após apelo do Blog Repasse Informativo

Foto: Hermes Salazar

 

Familiares do idoso Hermes Salazar, que havia mais de trinta anos fora de casa e lutava para reencontrar seus parentes se manifestaram após o apelo divulgado pelo blog Repasse Informativo no início da semana.
Em menos de duas horas da publicação, a qual teve mais de 10 mil acessos membros da família Salazar de Codó procuraram entrar em contato com os atuais responsáveis pelo o idoso.
Um vídeo de agradecimento foi enviado à redação do blog pela nora de Hermes que iniciou a campanha.

Confira:

CAXIAS EM FOCO: Um ano hoje…

Foto: Firmino Freitas

 

Por: EDMILSON SANCHES

 

FIRMINO FREITAS

Há pessoas que nascem em Caxias. Há pessoas que Caxias nasce nelas.

O juiz de Direito (aposentado) e escritor Firmino Antônio Freitas Soares é uma dessas raras pessoas permanentemente grávidas do sentimento de pertença à cidade caxiense, da qual fisicamente se despertenceu há exatamente um ano.

Sim. Foi em Caxias (MA), na manhã de 17 de janeiro de 2019, cinco dias antes de Firmino completar 75 anos de idade. Naquela data, as informações davam conta de que o grande poeta e prosador, por volta das 6h, teria tido um infarto fulminante. Ele se encontrava em sua residência, na tradicional Rua Padre Gerosa, no centro de Caxias, próximo à Igreja de São Benedito, vizinha à praça que leva o nome de outra expressão literária caxiense — Vespasiano Ramos.

Firmino Freitas nasceu em Crateús (CE), em 22 de janeiro de 1944. Recém-nascido, mal contando dois dias que viera à luz, o futuro juiz de Direito, escritor de talento e dedicado numismata chegou a Caxias com os pais. Firmino saiu da “Princesa do Oeste” e do sertão cearense para entrar de corpo e alma na “Princesa do Leste — e do Sertão — Maranhense”.

Talvez impregnado pelo ambiente da Terra dos Poetas, o mais caxiense dos crateusenses tornou-se respeitado homem do Direito e escritor de fato. Poesia e Prosa foram campos em que esse lavrador de palavras semeou letras e colheu livros. Livros de — e à — mão cheia, como se relacionará mais abaixo.

Firmino Freitas era casado com Dª Maria das Graças (Gracinha), com quem teve os filhos Firmino Freitas Filho (advogado e um dos mais completos ornitologistas amadores, nascido em 03/02/1968), Rita (Ritinha) Freitas (enfermeira e servidora pública; 11/03/1971) e Louise Freitas (28/08), proprietária do Antiquário Louise Store, em Caxias. Deixa também netos.

Firmino foi membro da Academia Caxiense de Letras (ACL), da qual se tornou sócio honorário, após voluntariamente se desligar da entidade: ele alegou, entre outras coisas, que era para “dar lugar aos mais jovens”. Ocupava a Cadeira nº 2, que tem como patrono o inesquecível Monsenhor Clóvis Bevilacqua Vidigal, com quem em minha infância/adolescência desenvolvi projeto de um jornal cultural para Caxias. Firmino foi sucedido, na ACL, pelo professor, escritor, servidor público, gestor escolar e ativista cultural Carvalho Júnior.

Na Rua Benedito Leite (antiga Rua do Cisco e hoje Rua Fauze Simão), onde também morei, Firmino aprendeu os primeiros rudimentos das letras, ensinados por sua mãe e irmãs. Depois foi estudar no Grupo Escolar João Lisboa, na Rua Aarão Reis. Aí fez do 1º ao 5º ano do antigo Curso Primário. Foi nesse Grupo Escolar onde Firmino escreveu seus primeiros poemas.

Ainda em Caxias, no Colégio Diocesano São Luís de Gonzaga, no alto do histórico Morro do Alecrim, Firmino fez o à época famoso Exame de Admissão ao Ginásio e, sucessivamente, o Ginásio (que corresponde, atualmente, aos anos do 5º ao 9º do Ensino Fundamental). No Diocesano cursou ainda dois anos do Científico, correspondente, hoje, aos 1º e 2º anos do Ensino Médio. Inteligente e com espírito de liderança, foi eleito presidente do Grêmio Lítero e Recreativo São Luís de Gonzaga e, anos depois, presidente da União Caxiense dos Estudantes Secundários, que fica na Rua Dr. Berredo, próxima ao Palácio do Comércio e Excelsior Hotel, no centro caxiense.

A veia de homem das letras já se inflamava. Assim, com a participação dos colegas e amigos Enoque Torres da Rocha Filho e José Carlos Santos, fundou e dirigiu “O Lábaro”, primeiro jornal estudantil impresso de Caxias. Além das palavras impressas, mais tarde foi profissional da voz, como locutor do serviço de alto-falante “Gigante do Ar”, de propriedade do Delamar Silva, e da Empresa Eletracústica de Propaganda “A Voz da Cidade”, de Osvaldo Marques, que era orador e poeta. Ao mesmo tempo, Firmino Freitas fazia a revisão do jornal “Tribuna Caxiense”, cujo diretor era o Luís Coelho Sales, escritor (sobretudo cronista) e, se não me engano, trabalhava também nos Correios e Telégrafos. Ainda na seara jornalística, Firmino Freitas foi colaborador da “Folha de Caxias”, dirigida pelo Vitor Gonçalves Neto, escritor e jornalista, autor de obras como “Conversa Tão Somente” e “Roteiro de Sete Cidades” e que, tempos depois, passaria a dirigir por décadas o jornal “O Pioneiro”, onde por anos também escrevi, ainda adolescente.

Firmino e eu tivemos outra atividade comum, exercida em mesmo local, mas em anos distintos e distantes no tempo: locutor da Rádio Mearim de Caxias (1959). Ele atendia convite do amigo comum e também jornalista e político Luís Gonzaga Abreu Sobrinho, que foi o primeiro prefeito de Eugênio Barros (MA); de minha parte, eu atendi convite do Antônio Bezerra de Araújo, radiotécnico e diretor geral da Mearim na década de 1970. Além de locutor da Mearim, Firmino Freitas, sete anos depois (1966), foi seu Diretor Artístico e Diretor Geral. Um ano depois (1967), ascendia rumo à capital maranhense, São Luís, onde se tornou locutor da Rádio Gurupi.

De volta para Caxias, Firmino fez o curso de Técnico em Contabilidade, na Escola Técnica de Comércio de Caxias. Na colação de grau (1971), foi orador da turma (1971). Também nessa escola confirmou-se como líder estudantil, como presidente do Grêmio Lítero e Recreativo Vespasiano Ramos.

Adulto feito, Firmino tornou-se membro da sociedade internacional Lions Club e ingressou na Maçonaria, onde, em Teresina, Timon e São Luís, prestou relevantes serviços, inclusive fundação e direção de lojas maçônicas.

O curso superior (Bacharelado em Direito, pela Universidade Federal do Piauí) foi concluído em 1975; na formatura, e por concurso, foi eleito orador da turma. Era o poder da palavra e da liderança se reconfirmando. Já nas lides profissionais, foi advogado registrado no Piauí e Maranhão, tendo defendido causas em diversas comarcas da Região Nordeste, no período de 1976 a 1981. Neste ano fez concurso para a Magistratura do Estado do Maranhão e desde 10 de dezembro de 1981, como juiz de Direito, levou e elevou a Justiça às comarcas de Paraibano, Parnarama, Chapadinha, Imperatriz, Caxias e São Luís.

Como advogado e juiz não descansou e, além das causas e processos, sempre buscou a atualização e aperfeiçoamento, tendo participado de diversos eventos jurídicos no Maranhão, Piauí, Pernambuco, Amazonas, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina, além de curso de Especialização em Metodologia do Ensino do Terceiro Grau, que o habilitou para ser professor no Ensino Superior.

Seu talento e trabalho levaram-no a receber algumas distinções e honrarias, representadas por títulos, diplomas, placas e medalhas. Mas, fora das atividades laborais, gostava mesmo era de ler e de colecionar moedas e cédulas, “hobby” este que o levou à Sociedade Numismática Brasileira e à Associação Filatélica e Numismática de Brasília, das quais era sócio correspondente.

*

Encontrei-me poucas vezes com esse meu confrade de Academia e colega de escritas. Conversei com ele algumas vezes em remotas reuniões e solenidades da Entidade. Tempos atrás, tendo eu viajado mais uma vez a Caxias, telefonei para o Firmino, em busca de um exemplar de um dos seus livros, onde, em uma das crônicas, ele (re)lembra Dª Maria Poquinho, que morava no encontro da Rua da Galiana com a Rua da Palmeirinha, logradouros onde também morei. Maria Poquinho e suas filhas Santa, Mariman e a mais nova, Fátima, eram amigas de minha família e tinham o carinho de minha mãe, Dª Carlinda — que, alma boa que era, dispensava cuidados especiais ao filho mais velho de Maria Poquinho, o Antônio, portador de hanseníase.

Depois de dizer ao Firmino o quanto de memória me despertou em mim a crônica dele, sobre a Maria Poquinho, pude ouvir sua voz lamentando verdadeiramente o não ter um exemplar para repassar para mim, sabedor ele do zelo, do interesse que (man)tenho pelas coisas e causas caxienses.

Logo que soube, manhã cedinho de 17/01/2019, do passamento do talentoso Firmino Freitas, telefonei para outros amigos e caxienses, entre os quais Francisca Girlene, Carvalho Júnior, Ezíquio Filho, Wybson Carvalho, Jacqueline Moreira, Arthur Almada Lima Filho, Magda da Cunha e meu tio, Raimundo João Gama Soares, o João Gama ou J. Gama, que também conhecia Firmino Freitas.

No velório, que se realizou na residência da família, a memória e o talento de Firmino Freitas foram reverenciados por familiares, amigos, colegas e membros de entidades históricas culturais de Caxias (Academia Caxiense de Letras, Instituto Histórico e Geográfico de Caxias e Academia Sertaneja de Letras, Educação e Artes do Maranhão), entre os quais os professores Antônia Miramar, Valquíria Fernandes, Carvalho Júnior e o desembargador Arthur Almada Filho, que só tratava Firmino, cortês e fraternalmente, por “Sereníssimo”. Foi Arthur Almada quem aconselhou e orientou o à época advogado Firmino Freitas para a carreira da Magistratura, em que se aposentou.

Firmino Freitas estreou em livro em meados da década de 1980, com a obra de prosa poética “Conversando com Deus” (1985). A esse diálogo com Deus, sucederam-se outras “conversas” literárias enfeixadas em outros 12 livros: “Versos de Cantaria” (poesias, 1986); “Do Verbo ao Verso” (poesias, 1990); “Cantares de Amor e Outros Cantos” (poesia, 1990); “Memorial dos Insensatos” (prosa, 2002); “Festejos de São Benedito” (prosa, 2003); “A Mudez do Grito” (poesia, 2003); “Sermão aos Surdos” (prosa, 2003); “Causos de Caxias” (prosa, 2004, com Rodrigo Otávio Baima Pereira); “Oitavas do Eu Menino” (prosa, 2004); “Mensagem aos Cegos” (poesia, 2005); “Maria sem Vez” (prosa, 2011); “Largo do Rosário” (prosa, 2011).

Diversos desses títulos, já de cara, revelam, a nós caxienses, o quanto da terra, do ar, da água, enfim, do (meio) ambiente e do povo caxienses impregnava-se fundamente na alma de Firmino Freitas e o quanto tudo isso se desvelava, se revelava e se elevava ao correr da pena segura dele escritor. Com certeza mais e mais textos foram elaborados por Firmino e esses escritos devem por enquanto estar recolhidos e em paz em folhas e maços guardados em alguma gaveta de mesa, ou sob pesos de papel ou, como pedaços de espíritos, jazem — virtual e virtuosamente — em forma de pulsos de luz, de brilhos de energia, de “bits” e “bytes” na memória de um computador e nos espaços não computáveis no vasto mundo da Internet.

E, é claro, muito de Firmino está em muitos de nós — até um dia todos nós estarmos juntos dele…

*

O corpo de Firmino Freitas foi sepultado do Cemitério Nossa Senhora dos Remédios, onde outros familiares já dormem a Eternidade.

“Sit tibi terra levis”.

Que a terra, Firmino, te seja como a tua consciência:

Leve.

edmilsonsanches@uol.com.br

Foto: O escritor Firmino Freitas.

MOMENTO DA EDUCAÇÃO: Gestora da URE, profª Marciana Bezerra, é homenageada pelo Colégio Militar Tiradentes IV

A gestora da Unidade Regional de Educação (URE) de Caxias, profª Marciana Bezerra, foi homenageada pelo Colégio Militar Tiradentes, na 4ª turma de formatura dos alunos das 3ª series do Ensino Médio – Turma Maria Marciana Bezerra da Silva. A cerimônia que homenageou a gestora Marciana Bezerra aconteceu na quinta-feira (16). 

“Hoje fui agraciada com uma grande honraria. Fui homenageada pelo Colégio Militar Tiradentes IV, na 4ª turma de formatura dos alunos das 3ª series do Ensino Médio. Agradeço a Deus e também a equipe gestora do Colégio Militar, Cel. Joélson Sipaúba, Major Flavio e as professoras Leny Tavares e Dalva Aguiar”, disse Marciana Bezerra. 

Durante a cerimônia, na oportunidade foram entregues os certificados para os alunos contemplados no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), o Mais Ideb 2019. 

Com Informações: http://www.irmaoinaldo.com.br

MOMENTO POÉTICO: O literato Firmino Freitas está encantado há um ano

Foto: Firmino Freitas

E não só isso: contemporaneamente, foi um dos melhores, mais produtivo e mais respeitado literato da cidade de Caxias, com assento na Cadeira de nº 02 da Academia Caxiense de Letras. Creio que, atualmente, e, daqui por diante, não há como se falar em literatura caxiense sem nos lembrarmos dele.

Depois de sua primeira publicação, Conversando com Deus (prosa poética), 1985 e 1986, não mais parou. Foi livro após livro, sempre nos gêneros da poesia e prosa, mais prosa que poesia. Possuo, em minha biblioteca particular, nada menos que treze livros de sua autoria, todos ofertados por ele, alguns com gentil dedicatória e outros enviados a mim pelas mãos de amigos. O bom, é que pareceu não querer parar mais. Isso é sinal de que não foi daqueles escritores que publicam por publicar, julgando-se ótimos, mas que, na verdade, não o são. Seus escritos são de primeira qualidade. E ele não se contentava, não ficava parado no tempo: começou com poemas, mas, embora não os abandonando, passou para a prosa como um brinde a todos nós, caxienses, de relembranças belíssimas dos nossos cotidianos – cultural e social – próximos passados. Firmino Freitas produziu as obras: Versos de Cantaria (poesias) 1986, Do Verbo ao Verso (poesias) 1990, Cantares de Amor e Outros Cantos (poesia), Memorial dos Insensatos (prosa) 2002, Festejo de São Benedito (prosa) 2003, A Mudez do Grito (escritos poéticos) 2003, Sermão aos Surdos (prosa) 2004, Oitavas do Eu Menino (prosa) 2005, Mensagem aos Cegos (poesia) 2005, Maria Sem Vez (prosa) 2011 e Largo do Rosário (prosa) 2011. Outras obras, ainda, inéditas foram preparadas pelo escritor e poeta.

Porém, Antônio Firmino Freitas Soares se encantou nas primeiras horas da manhã de uma quinta-feira, 17, de janeiro/19. Agora, espiritualmente, está encantado e presente na dimensão celestial, precisamente, na concretude de sua mais importante obra: “Conversando com DEUS”!

Por: Wybson Carvalho, poeta e membro da Academia Caxiense de Letras (ACL).

 

DETONANDO: Lula diz que é difícil um comunista se eleger a Presidente do Brasil.

Fazendo referência a Dino, Lula afirmou em entrevista que acha muito difícil um comunista se eleger a presidente do Brasil, esquentando os debates sobre as eleições

Divulgação

Por: Samartony Martins

deputado federal e ex-ministro, Orlando Silva (PCdoB), colocou mais lenha na fogueira da corrida presidencial quando repercutiu, em uma rede social, a entrevista do ex-presidente Lula concedida à TVT, na última quarta-feira (15). Nessa entrevista, o ex-presidente afirmou que é muito difícil um comunista se eleger a presidente em 2022, fazendo referência ao governador do Maranhão, Flávio Dino.

O parlamentar deixou bem claro que tem respeito e admiração ao ex-presidente Lula, mas não concorda com certas opiniões que, segundo ele, foram atravessadas em relação ao PCdoB. Pelo Twitter, o deputado federal questionou  o real motivo das declarações do ex-presidente ao lançar a pergunta: “Qual o objetivo dessa descortesia com um aliado histórico?”

Intitulado Orlando Silva: Por que Lula deu uma canelada no PCdoB?, o artigo escrito pelo parlamentar ressaltou a importância do apoio do PCdoB  nas cinco campanhas presidenciais que PT disputou. Orlando Silva fez uma análise da entrevista e disse que ficou surpreso com algumas afirmações ditas pelo ex-presidente com relação a Flávio Dino, que em sua opinião são absolutamente dispensáveis.

No texto, Orlando Silva destacou as seguintes pérolas: “O PT é um partido muito grande se comparado ao PCdoB”; “É difícil eleger um comunista e Flávio sabe disso”; e “É muito difícil eleger alguém de esquerda sem o PT”, que para ele se  “as mesmas frases fossem ditas por um analista político dispensariam qualquer comentário. Mas, sendo proferidas por Lula, merecem atenção”, ressaltou o parlamentar .

Orlando Silva criticou, ainda, as declarações do ex-presidente ao considerar difícil a eleição de um comunista para presidente sem o apoio do Partido dos Trabalhadores.  

O parlamentar lembrou também que o governador Flávio Dino é a novidade da esquerda brasileira. E que o mesmo cresceu sem “dedaço” e não incubado por nenhum grande líder. E que a competência de Dino já está à mostra no governo do Maranhão. “Sua capacidade política é reconhecida até pelos adversários. Flávio Dino opera a política de frente ampla que o PCdoB elaborou, mas aplica com timidez sob os olhares severos e críticos dos “companheiros”, enfatizou o parlamentar.

E o mesmo fez questão de alertar o governador Flávio Dino sobre um possível fogo amigo por parte de Lula. “Anote aí: o elogio do presidente Lula a Flávio Dino é como um ‘abraço de urso’. Daí ser adequado Flávio saber o ponto exato de proximidade – ou será esmagado”, ressaltou Orlando Silva.

Outra situação de que o PT pode declinar à candidatura de Dino em 2022 foi dada pelo presidente municipal do PT de São Paulo, Laércio Ribeiro que afirmou nesta quinta-feira (18) que Lula tem endossado a vontade de Fernando Haddad de não correr à prefeitura de São Paulo, dizendo que, depois de receber 47 milhões de votos na eleição presidencial de 2018, o ex-prefeito deve ser preservado como uma alternativa de projeto nacional.

Nenhum aliado da base do governador Flávio Dino se manifestou ou saiu em defesa do mesmo.

Questionado por O Imparcial sobre as declarações do ex-presidente Lula ao afirmar que é muito difícil um comunista se eleger para presidente em 2022, o deputado federal e presidente do PCdoB Márcio Jerry usou de diplomacia e cautela ao falar sobre o assunto.  

“Companheiro Lula, a quem muito respeitamos, fez uma frase que foi lida por todos nós do PCdoB como infeliz. E é natural a reação. Faz parte do processo democrático ter, expor e debater divergências, e isso não interdita de maneira alguma nossos diálogos com Lula e o PT em busca de alternativas para o Brasil”, disse Márcio Jerry, ressaltando a política de boa vizinhança entre os dois partidos.

“Anote aí: o elogio do presidente Lula a Flávio Dino é como um “abraço de urso”. Daí ser adequado Flávio saber o ponto exato de proximidade – ou será esmagado”

Com Informações: https://oimparcial.com.br

ACONTECEU EM CAXIAS: Gabriel Tenório avança rumo a prefeitura de Matões

O pré- candidato a prefeito de Matões continua recebendo apoio de lideranças políticas e comunitárias fora e dentro do município (Da redação Repasse Informativo)

Foto: Advogado e pré-candidato a prefeito Gabriel Tenório e o prefeito de Caxias Fábio Gentil

Alheio à guerra política entre os grupos mandatários em Matões o pré-candidato a prefeito Gabriel Tenório vem recebendo a adesão de vários segmentos da sociedade ao seu pleito.
Além das inúmeras manifestações de apoio na sede e na zona rural, lideranças políticas de todo o estado se juntam ao propósito de Gabriel Tenório de afastar o grupo que há muitos anos manda e desmanda naquele município.
Esta semana Gabriel Tenório foi recebido pelo prefeito de Caxias Fábio Gentil o qual reafirmo o seu compromisso em apoio ao pré-candidato.

“Estivemos batendo um papo e alinhando novos rumos na construção política de Matões com nosso amigo e grande liderança política daquela cidade Gabriel Tenório. Matões também mostrará que a esperança vai vencer o medo”, declarou o prefeito Fábio Gentil.

 

DIRETO DE BRASÍLIA: Governo federal anuncia aumento do piso dos professores em 12,84%

Foto: ( Divulgação )

O presidente da República, Jair Bolsonaro, e o ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciaram por meio de live (transmissão ao vivo) em rede social o aumento de 12,84% do piso salarial previsto no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos DIRETO DE BRASÍLIA: Profissionais da Educação (Fundeb). Segundo Weintraub, o reajuste anunciado “é o maior aumento em reais desde 2009.”

O ajuste, acima da inflação de 2019 (4,31%), corresponde às expectativas da Confederação Nacional de Municípios (CNM) que já havia previsto o valor mínimo do magistério passaria de R$ 2.557,74 para R$ 2.886,24. Há expectativa entre gestores municipais que uma nova lei sobre o Fundeb seja criada este ano. A lei atual só prevê a manutenção do fundo até este ano. O Ministério da Educação prepara proposta com novas regras.

Durante a live o presidente também anunciou, ao lado do secretário de Cultura Roberto Alvim, o lançamento do Prêmio Nacional das Artes que irá destinar mais de R$ 20 milhões para produção artística nas cinco grandes regiões brasileiras.

O prêmio terá sete categorias, eruditas e populares, e prevê a seleção de cinco óperas, 25 espetáculos teatrais, 25 exposições individuais de pintura e 25 exposição de escultura, 25 contos inéditos, 25 CDs musicais originais e até 15 propostas de histórias em quadrinhos.

O edital será publicado na próxima semana no Diário Oficial da União e no site da Secretaria Especial da Cultura. O repasse de recursos entre as regiões será dividido de forma igual.

Durante a transmissão, o presidente também comentou a queda histórica dos juros básico da economia, Taxa Selic a 4,5% ao ano e a esperada redução da dívida pública com a baixa dos juros. O presidente salientou a redução dos custos de empréstimos da Caixa Econômica Federal e a diminuição de pessoas inadimplentes. Bolsonaro salientou que a queda de juros ocorre “sem canetada” e “sem interferência”, mas por causa do ambiente de recuperação econômica.

O presidente comemorou a prioridade anunciada pelo governo dos Estados Unidos para que o Brasil se torne membro da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e lembrou a edição de nova medida provisória que ajusta o salário mínimo dos atuais R$ 1.039 para R$ 1.045.

Além do ministro da Educação e do secretário de Cultura, participou da transmissão o secretário de Aquicultura e Pesca, Jorge Seif Junior.

Fonte: http://portalsinalverde.com//via Agência Brasil