Repasse Informativo | Marcos Monteiro - Repasse Informativo Caxas-MA, O Blog do Marcos Monteiro.

CAXIAS EM DETALHES: “Reféns de um sistema”

Por: Pedro Barros.

                                                         Foto: Pedro Barros

Somos reféns de um sistema! Talvez você não tenha parado para pensar nessa assertiva, mas é verdade! Um sistema que existe e que teve origem nas civilizações europeias, principalmente nos países que compõem a península Ibérica – Portugal, Espanha, Gibraltar e outros.

Ele teve origem no que Max Weber denominou de “Patrimonialismo”. Um sistema político dominante, que se caracteriza pelo servilismo e pela corrupção. Outra característica que lhe é peculiar, consiste na mistura do público com o privado. Tudo junto e misturado. Caracteriza-se, ainda, pelo domínio das classes proletárias por senhores donos de grandes propriedades ou detentores de grandes patrimônios.

Como é sabido de todos, fomos colonizados por Portugal. De lá, herdamos nossa formação socioeconômica, a nós trazida pelos indicados e recomendados do Rei. Uma herança maldita, pois trazia consigo esse regime sócio-político que consiste no domínio das massas pelos poderes – “o Patrimonialismo”.

Passaram-se 500 anos, e muito pouco foi mudado. E por quê? Porque os congressistas, responsáveis legais pela elaboração da Constituição Brasileira, carregam consigo o mesmo DNA dos deportados ou migrantes de Portugal (patrimonialistas). Por isso, permanecemos reféns desse sistema de compra, troca, negociações e controle dos órgãos, que envolvem o poder público e o privado, responsáveis diretos pela corrupção que anarquiza e destrói nosso sistema de governo.

Há que se fazer menção, aqui, ao triunvirato poderoso que constituí nosso País: O Executivo, o Legislativo e o Judiciário. Os três, pelo que normatiza nossa Constituição Federal, devem exercer seu poder com independência e autonomia, porém harmonicamente. Mas, pelo que vimos e acompanhamos diariamente pela imprensa, são os maiores patrimonialistas do país, pois estão diretamente envolvidos, com raras exceções, nas falcatruas agora investigadas pela operação Lava Jato.

Somos, portanto, reféns de um sistema de corrupção endêmica, que se originou nessa migração e numa miscigenação (mistura de raças) incontida por esse país de dimensões continentais. Aqui habitam todos os povos – de hábitos e dos costumes mais diversos – dos cinco continentes, todos ou quase todos, de olhos voltados só para vantagens.

A proposta é: vamos mudar tudo isso nas próximas eleições de 2018. As mudanças estão em nossas mãos. Vamos ler e acompanhar o desempenho e comportamento de nossos governantes e congressistas, para podermos efetivar mudanças radicais e necessárias à construção de um Estado voltado para uma administração do que é público, com probidade e mais amor aos que, de fato, necessitam dos serviços de responsabilidade dele. Vamos construir um Estado máximo, que tenha o tamanho das necessidades de seu povo. Tudo isso é nosso, por isso, temos o dever de cuidar dele para que possa ser verdadeiramente de todos.

 

Categoria: Sem categoria

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.